São Luis e os Lençois Maranhenses II

2 dez de 2010
 

escrito por: em Histórias, Viagens

Parte 2

Barreirinhas – Caburé – Atins

Sábado foi um dia mais light, não tinhamos passeio certo pra ir, decidimos ir tomar aquela breja em um bar a beira do rio em barreirinhas mesmo (não lembro o nome). Lá encontramos as amigas de Zé Carlos, Gláucia, Vanessa, Nayara e a amiga dela que não lembro o nome (perdão), galera gente fina d+. Ficamos por lá até umas 17h.

E chega o domingão, dia de conhecer as dunas de Caburé e o encontro do mar com o rio em Atins.

Dessa vez fechamos o passeio em outra agência, que pra variar não lembro o nome (mas vou deixar um link com uma lista de agências de lá de Barreirinhas http://bit.ly/gFqqBj), o atendimento do pessoal foi de primeira qualidade, deram boas informações sobre outros roteiros, mas infelizmente o tempo era curto.

Partimos rumo as dunas de Caburé, uma lanchinha pega a galera em um determinado ponto, o piloto é o guia da viagem, cada árvore que passa o cara tem uma história diferente. Depois de 30 a 40 min navegando pelo Rio Preguiças chegamos as dunas, a primeira vista você já fica encantado com o lugar.

Logo na chegada você dá de cara com um “bar” no meio do nada, onde a galera mais aventureira usa pra acampar.

Assim que descemos do mini iate, fomos recebidos por um grupo de macacos maranhenses pervertidos assassinos (vejam nas fotos), bonitinho, fofinhos, mas não valem nada, um deles pulou nos peitos de uma menina lá só pra mostrar aos outros que era descolado.
Depois de fugir do grupo de primatas assassinos, voltamos ao passeio pelas dunas, infelizmente as lagoas já tinham secado que sem dúvida teria deixado a paisagem muito mais vislumbrantes.

Em seguida fomos conhecer Atins, lugar bem recomendado pra quem quer sossego, agora nos informaram que lá já é um pouco mais caro que Barreirinhas, infelizmente não passei a noite lá pra dizer se realmente é bom ou não. Mas foi onde aconteceu a maior tragédia da viagem, fui tomar um banho de mar pra dar aquela relaxada e me deparo logo de cara com um grupo de pelo menos 800.027 águas vivas sangue-sugas elétricas na espera de algum turista descuidado pra dar o bote, mas como sou esperto, não cair na delas. Peguei minhas coisas e deixei em um lugar seco, arejado e protegido do mar e do rio onde dava pra tomar banho sem me preocupar com as águas vivas, em uma área com umas espécies de piscinas naturais. 10 min lá pegando meu sol e relaxando sossegado, foi o suficiente pra que meu dia fosse por água abaixo (literalmente), quando olho pra trás, vejo minhas coisas boiando, inclusive meu iphone com 3 meses de uso. Daí já viu, me bateu aquela leve revolta e solto um singelo PUTA QUE PARIU.

Tirando esse episódio um tanto quanto brochante, a viagem foi show. Acabamos encontramos com Gláucia e Vanessa que estavam com outro grupo no restaurante. Depois de comer, juntamos o nosso grupo e fomos pra última parte do passeio, conhecer o farol de Caburé, fantástica a visão dele como vocês vão puder acompanhar nas fotos.

Encerrado o passeio hora de voltar pra pousada, arrumar as coisas e voltar pra São Luis no outro dia.
Não podia esquecer, achamos o ZEZINHO e Gabriel finalmente conseguiu recuperar o seu notebook, uma cena emocionante e feliz, já eu, me lasquei e perdi o celular, hoje ele é usado como peso de papel.

FOTOS

ÊÊÊÊ farofada bôua rapaz.

Bar na beira rio.

O piloto guia do nosso mini iate.

Aproximando das dunas de Caburé.

Olha só a cara do mal elemento.

A cara do safado.

Preparação…

Viu o peito da menina.

Bar do camping.

Bar do camping.

Zé Carlos em Atins.

Acho muito massa essa foto. by Gabriel

Em pé: Cláudia e Vanessa
Agachados: Zé Carlos, Bruno Fernando Barbosa Monteiro de Souza e Gabriel

Vilarejo em Caburé, a caminho do farol. Essa rua é cheia de lojas de artesanato.

Vista do Farol Preguiças.

Última foto do passeio. Saindo da Vila.

Em breve a viagem as praias de Alagoas, viagem show d+.

Do que se trata

, , , , , ,